SETOR ELÉTRICO

Enquadramento

No âmbito do eixo de intervenção Reforço Institucional e Melhoria do Ambiente de Negócios, foi aprovado em 2018 o Plano Diretor do Setor Elétrico (PDSE) 2018 – 2040 que estabelece metas ambiciosas para o setor das energias renováveis (ER), fixando, a partir de uma penetração de aproximadamente 20% em 2018, uma meta de 30% de integração de energia produzida através de fontes renováveis (solar e eólico) no mix de produção de eletricidade em 2025 e de 54% em 2030. Para alcançar as metas acima mencionadas, o PDSE prevê investimentos adicionais/auxiliares em infraestruturas críticas tais como o desenvolvimento de uma central de bombagem pura na ilha de Santiago até 2025 e de soluções de armazenamento de energia recorrendo a baterias (sempre que o preço seja justificado), bem como na modernização da rede.

O aumento da participação de recursos energéticos de fonte renovável (eólico e solar) intermitentes acresce dificuldades adicionais na operação e gestão das redes elétricas, resultando em restrições indesejadas na produção de energia renovável (ER).

Cabo Verde já começou a investir na modernização das redes, estando em curso, a instalação de Contadores Inteligentes para grandes consumidores e nas infraestruturas de produção e distribuição de energia elétrica e a adoção de sistemas automáticos de gestão do despacho (SCADA/EMS/DMS) nas principais ilhas. Para esta modernização há necessidade de uso das infraestruturas de telecomunicações que permitem a comunicação entre os diferentes dispositivos e sistemas acima mencionados.

Para que este desenvolvimento e evolução tecnológica possa ocorrer em Cabo Verde é fundamental a existência de um documento estratégico, orientador, coordenador e que permita o diálogo entre os as partes interessadas É neste sentido que foi elaborado o  Roteiro para o Desenvolvimento de Redes Elétricas Inteligentes (R-DREI) que define as condições e investimentos necessários no curto (2021 a 2022), médio (2022 a 2025) e longo prazo (2026 a 2030), assegurando a adequada modernização das infraestruturas, a adequação regulamentar e a participação ativa dos consumidores, em alinhamento com o PNSE.

O R-DREI toma como premissa que a implementação passa pelo o envolvimento de vários parceiros estratégicos que através da Comissão Nacional de Direção do Roteiro para Desenvolvimento de Redes Elétricas Inteligentes (CND-RDREI) garantirá a persecução dos objetivos definidos. Estes parceiros estratégicos incluem membros permanentes Ministério Indústria Comércio e Energia (MICE), Agência de Regulação Multissectorial da Economia (ARME), Electra e Água e Energia de Boavista (AEB) e membros extraordinários que incluem Empresas de Telecomunicações, Empresas de Consultoria e Especialistas.

 

 

VISÃO REDES ELÉCTRICAS INTELIGENTES

A Visão do Roteiro para o DREI é representada por 4 objetivos chave conforme indicado a seguir:

  1. Alavancar novas soluções digitais e aprimorar as iniciativas em andamento de Redes Inteligentes que permitem alcançar as metas integração de energias renováveis em curto, médio e longo prazo;

  2. Preparar os fundamentos regulatórios a curto e médio prazo;

  3. Permitir a participação ativa dos consumidores finais em médio e longo prazo;

  4. Reforçar a disponibilidade da comunicação e da infraestrutura de Tecnologias de Informação (TI) para dar suporte à implementação de REI.

Consultar o Roteiro para o Desenvolvimento de Redes Elétricas Inteligentes completo aqui:

RDREI_1.png