EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

SOLAR TÉRMICO

COMO FUNCIONA

O sistema solar térmico converte a energia do Sol em calor útil, através do coletor solar térmico colocado no exterior do edifício, geralmente na cobertura, por onde circula um fluído de transferência térmica. Uma rede de tubagem permite o escoamento deste fluído entre o coletor, onde é aquecido, e o depósito de acumulação, onde é armazenada a energia térmica, ou seja, água quente. De acordo com a capacidade de armazenamento do depósito, permite uma utilização da água quente em todos os períodos sempre que haja necessidade inclusive à noite.

Para produção de água quente sanitária, existem 2 tipos de soluções tecnológicas: sistema termossifão e o sistema de circulação forçada.

 

BENEFÍCIOS / VANTAGENS

  • A energia solar térmica permite reduzir o valor da sua fatura de energia;

  • A energia solar térmica é uma fonte de energia renovável inesgotável que pode garantir uma boa parte ou totalidade das suas necessidades de água quente;

  • Contribui para a redução das emissões de Gases com Efeito de Estufa;

  • O tempo de recuperação do investimento de um sistema solar térmico varia em média entre 5 a 8 anos, dependendo do tipo de instalação e o fim a que se destina, para um equipamento cujo o tempo de vida útil é de aproximadamente 20 anos.

 

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS:

1 - SISTEMAS TERMOSSIFÃO

No sistema em termossifão todos os componentes do sistema solar térmico estão no exterior e o depósito é colocado numa cota superior à do coletor solar.

O fluído térmico é aquecido no coletor e, com o aumento da temperatura fica mais leve deslocando-se para o ponto mais alto até ao depósito, onde transfere a energia à água da rede ali armazenada.

Este movimento é contínuo e só cessa quando a radiação é baixa ou nula, por exemplo, à noite.

O depósito recebe a água da rede e tem uma saída para entregar água quente aos pontos de consumo.

 

FUNCIONAMENTO DE SISTEMAS TERMOSSIFÃO

A. Depósito (termo-acumulador, cilíndrico) coma permutador de camisa;

B. Coletor solar;

1. Saída de água quente;

2. Entrada de água fria;

3. Distância entre o coletor e o depósito;

4. Ida do fluído aquecido pelo painel para o depósito;

5. Retorno do fluído frio do depósito para o coletor;

6. Radiação solar;

2 - SISTEMA DE CIRCULAÇÃO FORÇADA

O sistema de circulação forçada requer uma bomba de circulação para movimentar o fluído térmico do coletor para o depósito, o que permite a colocação do depósito numa zona mais bem localizada e de fácil acesso e protegida das intempéries.

A bomba de circulação é controlada por um sistema de comando que integra sondas de temperatura, permitindo o seu acionamento só quando a temperatura do fluído no coletor for superior à da água no depósito.

 

 

PRETENDE ADQUIRIR UM SISTEMA SOLAR TÉRMICO?

  • Procure o apoio técnico de um profissional ligado ao setor para o ajudar em todo o processo, e garantir que escolhe a solução mais adequada às suas necessidades;

  • Contacte as instituições do setor que lhe podem indicar uma rede de profissionais e marcas de qualidade reconhecida;

  • Consulte mais que um fornecedor. Peça orçamentos para as várias alternativas e selecione a que melhor responde às suas necessidades e condições de instalação;

  • Garanta a correta manutenção do seu Sistema Solar Térmico, exigindo que lhe seja apresentado um plano de manutenção anual. Só com essa manutenção anual o seu equipamento mantém as suas características e rendimento.

  • Os acumuladores devem ser adotados de sistema de proteção contra corrosão. Nos sistemas em Termossifão, a proteção é realizada por ânodo de sacrifício em magnésio, mas nos acumuladores dos sistemas forçados também pode ser elétrica e permanente. A fiabilidade dos sistemas elétricos de proteção contra corrosão é superior à dos sistemas com proteções por ânodo de magnésio, que requer uma verificação periódica mais assídua, dependendo da dureza da água de abastecimento;

  • Garanta que o equipamento que seleciona seja eficiente e que apresenta todos os certificados de qualidade;

  • Procure ainda a garantia dos seus equipamentos. Tipicamente os coletores apresentam garantias mínimas de 10 anos e os depósitos de acumulação de águas quentes de 5 anos.

 

ASPETOS A CONSIDERAR: Na aquisição de um Sistema Solar Térmico

 

1 - ESPAÇO DISPONÍVEL NA COBERTURA

Sempre que possível opte pela cobertura para colocação dos coletores. Se esta não o permitir devido à falta de espaço, a opção pelo sistema solar pode ficar comprometida.

Por outro lado, a área disponível na cobertura poderá limitar também o número de coletores que se pode instalar.

 

2 - ORIENTAÇÃO E INCLINAÇÃO

Os coletores solares devem estar devidamente orientados entre Este e Oeste para maximizar a incidência da radiação solar, sendo que para Cabo Verde a orientação Sul e uma inclinação de 20º são o que garante o maior aproveitamento da radiação incidente.

A inclinação e a orientação devem procurar maximizar os ganhos de radiação. Tire partido da inclinação e orientação da cobertura sempre que possível.

 

3 - OBSTRUÇÕES E SOMBREAMENTOS

Identifique e avalie os obstáculos que causem sombreamentos ou obstruções à incidência da radiação solar, tais como: chaminés, outros edifícios ou árvores. Estes obstáculos podem ser impeditivos para a colocação dos coletores solares ou podem diminuir o desempenho dos coletores solares.

 

MANUTENÇÃO DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

 

  1. Os sistemas solares térmicos devem ser objeto de manutenção periódica anual para garantir que o custo da ma­nutenção corretiva (substituição de componente) seja minimizado;

  2. Deve garantir o registo periódico da temperatura do depósito de acumulação ligado ao sistema solar e da pressão do circuito primário do mes­mo sistema. Assim assegura uma vigilância efetiva do seu sistema;

  3. Num dia de céu limpo o depósito não deve registar valores de tempera­tura inferiores a 50ºC, principalmente quando o consumo é reduzido. Se a temperatura no depósito for igual à temperatura da água da rede de abastecimento, deve imediatamente contactar o responsável pela manutenção da instalação;

  4. O registo de pressão deve acontecer preferencialmente de manhã, período de baixa insolação, para permitir comparação com o valor inicial de pressão de carregamento. Verifique a pressão mínima e máxima com o seu instalador;

  5. Pressões baixas ou falta de aquecimento num dia de céu limpo podem estar relacionadas com um vasto número de anomalias que o profissional deverá diagnosticar e corrigir. É importante a comunicação atempada das anomalias anteriormente referidas;

  6. Ao estabelecer um contrato de manutenção, faça-o preferencialmente com uma empresa com alguns anos de mercado e com boas referências. Procure que seja mantida na instalação um livro de registos de todos os atos de manutenção;

  7. É possível selecionar o melhor equipamento disponível no mercado. No entanto, se a execução apresentar deficiências ou se não existir manutenção, a instalação acabará por não funcionar corretamente e possivelmente entrar em colapso;

  8. É importante que os coletores estejam sempre limpos de sujeira e poeiras, neste sentido uma limpeza mensal dos coletores deve ser efectuada.

imagem 1.png
termosifao.png
circulacao forcada.png